Novo regime da eutanásia "é bárbaro"

Bastonária dos veterinários promete lutar

A bastonária dos veterinários, Laurentina Pedroso, considera "bárbara, própria de um país do terceiro mundo" a disposição legal do projecto do Governo que prevê a eutanásia de animais que cheguem aos canis municipais com doenças de algum modo transmissíveis ao ser humano, como a sarna. A tutela impede a adopção nestes casos. "Então agora abatem-se animais que têm cura?! Desde quando?", indigna-se a bastonária, que defende que a eutanásia só deve ser aplicada em casos extremos. Os veterinários esperam que a tutela "acate" as suas sugestões na redacção final do diploma, que "atenta contra o bem-estar e a saúde animal". Caso contrário, a Ordem promete lutar contra a lei e "promover debates públicos para expor o Governo". Indignadas estão igualmente as associações de defesa dos animais. Rita Silva, presidente da Animal, diz que a lei em preparação é "moralmente criminosa". "Imagine o que é uma pessoa ser morta por ter pé de atleta", compara, chamando ainda a atenção para outros aspectos do projecto de Código do Animal de Companhia: "Os maus tratos continuam a não ser crime e o valor das multas por este tipo de comportamento desce." Quanto ao abandono, "na nova lei nem contra-ordenação merece". No mesmo sentido vai a posição da Liga Portuguesa dos Direitos do Animal, que considera desumana e imoral a prática da eutanásia.

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues