Doentes mentais estão a abandonar tratamento por falta de dinheiro

Número de doentes que está a faltar a consultas ou a tratamento é "maior do que o habitual" daniel rocha

As dificuldades económicas estão a fazer com que muitos doentes não consigam suportar os custos das deslocações e faltem às consultas de saúde mental. Há também cada vez mais doentes a admitir que não tem dinheiro para a medicação prescrita. As assistentes sociais alertam para um aumento anormal e preocupante do número de queixas de doentes que se dizem impossibilitados de prosseguir com o tratamento e o coordenador do Plano Nacional para a Saúde Mental da Direcção-Geral de Saúde avisa que, privados de tratamento, estes doentes correm sérios riscos.

"Temos cada vez mais informações sobre doentes que avisam que não vão comparecer às consultas por falta de dinheiro para o transporte", avisa Álvaro Carvalho, coordenador do Plano Nacional para a Saúde Mental da Direcção-Geral de Saúde. Fernanda Rodrigues, presidente da direcção nacional da Associação dos Profissionais de Serviço Social, confirma esta realidade, acrescenta que estes doentes estão também a abandonar a medicação pelos mesmos motivos e sublinha que, apesar de não existirem dados sobre o número de pessoas afectadas, o fenómeno "é preocupante".

"Estamos a registar uma falta de comparência às consultas que não é habitual. As assistentes sociais que trabalham na área da saúde mental referem que o principal motivo apresentado por estes doentes é o facto de não conseguirem pagar as deslocações e senhas de transporte. Por outro lado, o mesmo se passa na aquisição de medicamentos, com muitas pessoas a admitir que interromperam a terapêutica ou a comprar só parte da medicação prescrita, com escolhas que são ditadas por razões financeiras", alerta Fernanda Rodrigues. As consequências, refere, "já estão a sentir-se com o agravamento dos problemas de saúde destas pessoas". "Muitas vezes conseguir apenas que estas pessoas aceitem ser tratadas já não é fácil", lamenta.

Sobre as possíveis consequências de um abandono do tratamento Álvaro Carvalho não hesita em assumir que há riscos. "Sabe-se que um processo depressivo, por exemplo, e no caso de um tratamento estritamente farmacológico, precisa de um período mínimo de três meses e em média de seis meses para avaliação quando responde à medicação", explica. Por outro lado, em muitas situações, uma interrupção súbita da medicação pode ser muito prejudicial. Nos casos de depressão grave podemos assistir a um agravamento do problema e ao risco de suicídio. Há casos que podem ser controlados com um tratamento e que sem ele exigem internamento. Outro exemplo: os doentes com esquizofrenia precisam da medicação para ajudar a controlar uma série de manifestações desta patologia, mas precisam também de estar inseridos em programas de reabilitação psicossocial. Quando (e se) essa vertente do tratamento falha, por falta de dinheiro para se deslocarem para os locais onde têm estas respostas, estes doentes são afectados de forma grave e acabam remetidos para um perigoso isolamento.

Os dados sobre as consultas de saúde mental nos hospitais psiquiátricos e nos serviços locais de saúde mental mostram, apesar de tudo, um aumento entre 2005 e 2011. Porém, Álvaro Carvalho nota que este crescimento "é pouco expressivo". Principalmente, se tivermos em conta que estes números também reflectem o aumento das unidades periféricas onde existem estas consultas, traduzindo (e bem) uma actividade mais descentralizada, nota Álvaro Carvalho. Assim, seria expectável que tivessem aumentado ainda mais. A falta de dinheiro pode estar a desviar muitos doentes das consultas e a funcionar como travão, admite o especialista como uma das explicações para o "tímido" aumento das consultas.

O mesmo raciocínio pode ser usado na leitura dos dados sobre as vendas de antidepressivos e estabilizantes de humor que mostram um aumento de quase um milhão de embalagens entre 2008 e 2012. É muito ou seria mais ainda, se os doentes não estivessem a passar por dificuldades económicas? Esta é uma questão mais complexa. O elevado e crescente consumo de antidepressivos em Portugal - um dos maiores da Europa - não é nada que tenha começado nos anos de crise. "É algo que já existia antes da crise", sublinha Álvaro Carvalho. Aliás, lembra o psiquiatra, os portugueses também são líderes no consumo de outras substâncias como os ansiolíticos, o álcool ou mesmo os antipsicóticos.

Apesar de recusar fazer uma associação directa entre este consumo excessivo de antidepressivos e a crise, por falta de evidência científica, Álvaro Carvalho admite que as duas realidades não estejam completamente desligadas. Há também que considerar a hipótese de estarmos perante os efeitos de uma má prática com uma excessiva prescrição. A propósito disto, o director do Programa Nacional para a Saúde Mental refere que recentemente recuperou uma proposta - elaborada há três anos com o Infarmed e a Ordem dos Médicos - sobre as "boas práticas" da prescrição deste tipo de medicamentos e que envolve acções de formação dirigidas aos profissionais de saúde.

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues