Depois do 12.º ano, uma pausa para viajar

O PS apresentou uma proposta de projecto de resolução que levará o tema gap year ao ParlamentoDepois do seu "ano sabático", Gonçalo Azevedo Silva lançou uma associação, a Gap Year Portugal NELSON GARRIDO

Velha em muitos países, a ideia de fazer um ano sabático, entre o ensino secundário e o superior, está a ganhar adeptos em Portugal. O tema já chegou à Assembleia da República

Dois anos depois de um empresário ter desafiado dois jovens a interromperem os estudos e a viajarem pelo mundo, "para crescerem", a discussão sobre as vantagens de uma pausa na actividade académica chega à Assembleia da República. Os ingleses, que há décadas criaram o conceito e a prática, chamam-lhe gap year. Os deputados do PS traduzem para "ano sabático" e pedem o apoio do Governo para o promover entre os alunos do ensino secundário.

Foi um acaso. Chamado a participar numa iniciativa organizada pelo Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal, Gonçalo Azevedo Silva, que estava no 12.º ano, lembrou-se, "porque achava a ideia gira", de falar sobre um tema que estudara no ano anterior, nas aulas de Inglês. No auditório da Fundação Lapa do Lobo (FLL), requisitado para o Encontro da Oralidade, o rapaz discorreu sobre as vantagens do ano sabático, ou, em inglês, gap year - um ano de pausa nas actividades de rotina, neste caso lectivas, normalmente entre o ensino secundário e o superior, para viajar, fazer voluntariado e, eventualmente, trabalhar, em ambientes diferentes daqueles em que se nasceu e cresceu.

Não pensou mais no assunto até ao dia em que, umas semanas depois, Carlos Torres, o empresário e presidente da fundação onde decorrera o encontro, lhe telefonou. Estremunhado, ouviu: "Queres passar da teoria à prática?"

Hoje Gonçalo não pode dizer, com honestidade, que, ao convidá-lo a escolher um companheiro de viagem e ao dar-lhe meios para correr 24 países em seis meses, o presidente da FLL lhe permitiu concretizar um sonho: "É que nem me tinha passado pela cabeça sonhar com tal coisa", afirma, a rir.

Carlos Torres, administrador do grupo Resul, Equipamentos de Energia, sonhou por ele. "Estava a ouvir o Gonçalo a falar e a pensar: "O que eu adorava ter feito uma coisa destas"".

Como empresário, Carlos Torres "acredita que, desde que bem organizado, um gap year pode ser um elemento valiosíssimo no currículo". "Faz com que estes miúdos cresçam imenso. E depois", acrescenta, "nesta fase, adiar por um ano a entrada no mercado de trabalho não altera nada - que diferença faz acabar uma licenciatura com 21 ou com 22 anos?"

Tudo se enquadrava. Para além da ideia e do jovem que a apresentara, o empresário dispunha já dos meios para a colocar em prática - os da própria fundação, "uma entidade privada, que nunca recebeu um cêntimo do Estado" (como faz questão de frisar). Sediada na aldeia dos seus avós, na povoação da Lapa do Lobo, a FLL tem objectivos culturais, educativos e de preservação do património nos concelhos de Nelas e do Carregal do Sal. Foi com facilidade que no item "actividades e apoios" se acrescentou "Gap Year".

"Horizontes abertos"

Gonçalo escolheu Tiago Marques, da mesma idade, para o acompanhar na "experiência-piloto" da FLL. O programa de viagem foi cuidadosamente delineado pelo empresário e pelos dois jovens que, meses mais tarde, partiram com algumas obrigações, como fazerem voluntariado e partilharem as suas experiências no blogue Um Mundo a Aprender (http://fllgapyear.wordpress.com).

Os dois "pioneiros", que, como exigira Carlos Torres, já se tinham candidatado e haviam sido admitidos no ensino superior, voltaram diferentes. "Com horizontes mais abertos, mais capazes de resolver problemas com rapidez, de dar mais valor às coisas, de respeitar a diferença, mais solidários", enumera Gonçalo, agora com 19 anos e a frequentar o 1.º ano do curso Economia, em Lisboa.

Gonçalo e Mário também voltaram determinados a contribuir para que outros jovens pudessem beneficiar de uma experiência semelhante. Enquanto a FLL e Carlos Torres prosseguiam o seu caminho, criando o regulamento do concurso que este ano lançou mais quatro rapazes ao mundo, Gonçalo e Tiago constituíram a Associação Gap Year Portugal (AGYP).

Depois de criarem uma página na Internet (http://gapyear.pt/) que alimentam com informações úteis aos futuros "gaps", os dirigentes da AGYP pediram audiências a várias entidades, para promover a iniciativa. No dia 5 de Março, conseguiram cativar os deputados da Comissão Parlamentar de Educação, que os receberam em audiência; e, há pouco mais de uma semana, o PS apresentou uma proposta de projecto de resolução que levará o tema ao plenário.

"O Estado não tem de financiar este tipo de iniciativa, claro - para mais, nesta fase. Mas pode e deve envolver-se criando circunstâncias favoráveis à sua realização e, principalmente, promovendo a escola informal, a escola da vida, como algo que os jovens devem valorizar", considera Rui Duarte, deputado socialista e subscritor da proposta.

Entre outros aspectos, o PS recomenda que o Ministério de Educação disponibilize meios adequados "à promoção do conceito e à disseminação" da "cultura de ano sabático" nas escolas; e ao Ministério dos Negócios Estrangeiros que disponibilize os recursos da rede consular portuguesa no mundo, com vista a uma maior facilidade na certificação dos circuitos de voluntariado e ao acompanhamento dos movimentos dos jovens.

A ideia não é pacífica. "No plano teórico, um ano a viajar, a fazer voluntariado ou a trabalhar, é interessantíssimo. Mas não pode ser aconselhado, de forma genérica, a toda a gente, e muito menos a todos os jovens de 17, 18 anos", comenta Pedro Rosário, coordenador da Unidade de Investigação Aplicada em Aprendizagem e Realização da Escola de Psicologia da Universidade do Minho.

Portugueses imaturos?

Tal como outros psicólogos ouvidos pelo PÚBLICO, preocupa-se menos com um eventual desvio da carreira académica do que com a possibilidade de os adolescentes não terem maturidade e estrutura emocional para lidar com a experiência. "O que pode ser excelente para uns pode ser extremamente doloroso para outros", alerta Pedro Rosário, que lembra que o gap year inglês "é uma tradição das classes alta e média-alta - o que se reflecte tanto na possibilidade de financiar a viagem como de a organizar, garantido a segurança e o apoio aos estudantes que, caso se dêem mal, podem regressar a casa no dia seguinte".

Alexandra Barros, especialista em Psicologia do Desenvolvimento e Aconselhamento da Carreira da Universidade de Lisboa, sublinha outras diferenças culturais em relação às sociedades que encaram o gap year com naturalidade. "Nos países do Norte da Europa os jovens começam a trabalhar e saem de casa dos pais muito cedo, o que lhes garante uma autonomia e uma maturidade que os jovens portugueses, de uma forma genérica, estão longe de possuir, aos 17, 18 anos", considera.

Margarida Gaspar de Matos, psicóloga e coordenadora em Portugal do Health Behaviour in School-Aged Children (um levantamento dos comportamentos e estilos de vida dos adolescentes levado a cabo de quatro em quatro anos pela Organização Mundial de Saúde), tem a mesma opinião sobre a pouca autonomia dos jovens portugueses, em regra.

À semelhança de Alexandra Barros, esta especialista aponta como termo de comparação o programa de mobilidade Erasmus, para alunos do ensino superior e, por isso, mais velhos. "Nestes casos, a mobilidade está enquadrada, é um passo num percurso de desenvolvimento que é orientado pelas faculdades, que tem determinados objectivos e é dado no âmbito de uma rede institucional que, em caso de necessidade, garante o apoio indicado. E, ainda assim, há pessoas para quem a experiência é negativa ", diz.

Coloca, como Pedro Rosário, a questão dos custos: "Num momento em que se diz que os jovens chegam a desmaiar de fome nas escolas, que sentido faz o ministério promover uma iniciativa deste género?"

Mais barato do que estudar

Foram respostas às questões levantadas pelos psicólogos que a AGYP tentou promover por antecipação. Carlos Torres e Gonçalo Azevedo Silva não revelam quanto custou a viagem dos pioneiros ou as dos quatro estudantes também apoiados pela FLL, que há dias se cruzaram, em grupos de dois, na América Latina. "Estes são casos excepcionais. É possível fazer um gap year com mais ou com menos despesas e estarmos a indicar um valor poderia desincentivar quem tem menos meios", justifica o empresário.

Gonçalo, que criou uma fórmula de cálculo de custos "absolutamente rigorosa" na página da Internet da associação, compara: "Um estudante de fora de Lisboa gasta, em nove meses lectivos (incluindo quarto, transportes, propinas, alimentação...) cerca de 5004 euros. O mesmo período na Índia, incluindo as viagens de avião de ida e volta, custa 3722." Demasiado, ainda assim? "No limite, até se podem organizar as coisas de maneira a que o jovem trabalhe durante alguns períodos da viagem, para que o gap year fique a custo zero", diz Carlos Torres.

Sobre a falta de maturidade dos jovens, o empresário contrapõe que esta é, precisamente, uma experiência que os faz amadurecer, e recorda que para fazer um gap year não é preciso "papar países" ou correr riscos. "Uma única acção de voluntariado, numa instituição de um único país, já será uma experiência valiosa."

Gonçalo Azevedo Silva acrescenta que a associação - com a qual colaboram viajantes experimentados, mais velhos, como conselheiros - procura, precisamente, dar o apoio de que os "gaps" necessitam no planeamento e organização da viagem.

"Não se trata de um "Chau, mãe, vemo-nos daqui a um ano"", diz Cristina Pedrosa, professora do 3.º ciclo e do ensino secundário e mãe de Diogo, que neste momento viaja pela América Latina com financiamento e apoio da FLL.

Se "a maior dificuldade ainda é combater os medos dos pais", como diz Gonçalo, Cristina pode ser considerada uma "embaixadora" da AGYP. Afirma que, graças à Internet e às redes sociais, não há um dia em que não saiba do filho. Quanto aos riscos, "são relativamente controlados", porque os jovens saem de Portugal com a viagem planeada, diz. Já prometeu à filha, de 14 anos, que, se puder, lhe proporcionará o seu gap year aos 18.

A correr as Américas desde Outubro, João Paiva também pensa que, se estiver "bem planeado e organizado", "o gap year tem tudo para dar certo". Conta que começou a viagem apoiada pela FLL "com uma certa ansiedade", sem a certeza de que estaria "à altura do que estava para vir". Hoje, sente-se "mais crescido", "mais seguro", "mais preparado para os desafios".

No sítio da Internet da AGYP já se inscreveram 64 pessoas que dizem ter intenções de fazer o gap year no próximo ano". Gonçalo Azevedo Silva diz não poder dizer quantos portugueses já fizeram o gap year entre o secundário e a universidade ou quantos vão, efectivamente, fazê-lo para o ano. Mas está convencido de que a tendência "vai mesmo pegar".

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues