João Jardim deixa governo regional em Janeiro de 2015

Líder madeirense fez o anúncio na abertura do congresso do PSD regional. E lançou novo ataque ao Estado central.

Alberto João Jardim Daniel Rocha

O presidente da comissão política do PSD-Madeira, Alberto João Jardim, anunciou neste sábado que abandonará a presidência do governo regional em Janeiro de 2015, imediatamente após a tomada de posse do novo líder do partido, a eleger antes do próximo congresso marcado para o dia 10 desse mês.

Na sessão de abertura do congresso do PSD-Madeira, que começou com atraso devido à ausência do líder reeleito, Jardim voltou a assumir-se como "adversário do sistema político português e contra a Constituição de 1976", posições que, disse, estão na origem de campanhas contra a sua pessoa e contra a Madeira.

"Isso valeu-nos antipatias, hostilidades e opções contra nós", frisou o líder regional, que se declarou farto das posições do "estado chantagista contra a Madeira".

No longo discurso, Jardim declarou ainda que dispensa a presença do Estado "colonial", que na Madeira "só paga aquilo que tem armas e aquilo que serve para [os] vigiar".

Disposto a aderir a "uma nova movimentação política que se proponha mudar Portugal", Jardim anunciou, mais uma vez, ter concluído um projecto de revisão constitucional. "Nós sabemos o que queremos para Portugal."

Recado a Miguel Albuquerque
Jardim fez implacáveis avisos aos subscritores da candidatura do seu primeiro adversário nas eleições internas, Miguel Albuquerque, derrotado por uma escassa centena de votos e dois pontos percentuais.

 “Vamos blindar o PSD-Madeira para aqui não se inscrever quem nos quer destruir por dentro”, advertiu o líder regional, dizendo-se também farto do "Estado colonial” e “chantagista contra a Madeira".

Para Jardim não é “minimamente aceitável” que um partido com a história do PSD-Madeira e com a hegemonia que conquistou” tenha “estes pés de barro”, ou seja, projectos alternativos no seu interior, como o protagonizado por Albuquerque. "Consegui derrotar duas vezes, no espaço de um ano, os intentos mobilizados nacionalmente", sublinhou, numa referência às eleições legislativas regionais e às directas do partido, em que, pela primeira vez em 36 anos, teve um adversário.

Albuquerque espera que nesta reunião Jardim “apresente um projecto de futuro para a Madeira e apresente sobretudo uma postura de unidade e conciliação entre os militantes”. “Se persistir num sistema de campanha eleitoral e de divisão interna, o partido vai sair deste congresso não reforçado, mas fragilizado", disse o presidente da Câmara do Funchal, que, enquanto o líder regional discursou, esteve fora da sala do congresso, interdita a alguns dos mais destacados apoiantes de Albuquerque, entre os quais o vice-presidente do município, Pedro Calado, a vereadora Rubina Leal, e o chefe de gabinete, Rui Abreu.

A decorrer à porta fechada, com acesso vedado a jornalistas, o congresso encerra neste domingo com a eleição dos órgãos dirigentes, exclusivamente constituídos pela lista vencedora. Está prevista a presença do líder nacional, Pedro Passos Coelho, na sessão de encerramento.

 
 

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.