Sessão solene das comemorações do 10 de Junho

Cavaco Silva alerta para necessidade de uma "estratégia a médio e longo prazo" para o país

No discurso, Cavaco Silva mostrou-se preocupado com a abstenção nas eleições europeias Miguel Madeira

No seu discurso na sessão solene das comemorações do 10 de Junho, em Santarém, Cavaco Silva alertou para a necessidade de uma "estratégia a médio e longo prazo" para o país e criticou os níveis de abstenção nas eleições europeias que, disse, "só empobrecem a democracia".

Referindo-se às dificuldades que o país hoje enfrenta, Cavaco Silva defendeu que é necessário ter uma "visão alheia a calendários imediatos, que poderiam comprometer o futuro e tornar inúteis os sacrifícios que a hora exige".

É preciso agir "com determinação, sentido estratégico e capacidade de mobilizar esforços e vontades" e apostar no que é "essencial para o aumento da nossa capacidade competitiva". Defendeu a aposta na educação, no mundo rural - como forma de conseguir um ordenamento territorial, a coesão do todo nacional e combater o despovoamento do interior.

Para Cavaco Silva, o país vive uma situação económica e financeira "sem precedentes nas últimas décadas". Mas lembrou a "capacidade para resistir em momentos adversos" e apelou à confiança em que "somos capazes de vencer, mesmo perante os maiores desafios ou as piores adversidades".

"É necessário ter (...) a coragem de encarar a verdade dos factos e proceder às mudanças que sejam necessárias", retirando as lições da actual situação. Tudo porque "só informação correcta permite às pessoas fazerem as escolhas mais adequadas".

A promoção de uma cultura de valores, "que contemple a dignidade das pessoas, incentive o esforço e o mérito e favoreça a coesão social" é condição para o sucesso. Neste âmbito reforçou a necessidade de "valorizar os laços familiares, que são o mais sólido alicerce de qualquer sociedade", de "combater o esbanjamento e o desperdício e rever hábitos de consumismo; compreender que também somos responsáveis pela sorte dos outros, principalmente daqueles que são mais carenciados".

Realçou ainda a necessidade de uma "cultura de transparência e de prestação de contas" nas instituições, no mundo dos negócios e no mundo do trabalho. "Se há um ensinamento claro a retirar da conjuntura actual é o de que o desenvolvimento económico não pode processar-se à margem da responsabilidade social e do respeito por normativos éticos".

Cavaco Silva critica níveis de abstenção e lembra responsabilidade dos agentes políticos

No entanto, tal só será possível com a participação de todos na vida pública. "Em tempos reconhecidamente difíceis como aqueles em que vivemos, não é aceitável que existam portugueses que se considerem dispensados de dar o seu contributo", disse o Presidente, lançando críticas à abstenção nas eleições europeias, superior aos 60 por cento. Esta percentagem é um "sintoma de desistência, de resignação, que só empobrecem a democracia".

"Nenhum de nós se pode eximir das suas obrigações, sob pena de a gestão da coisa pública ficar sem esse escrutínio indispensável que é o voto popular".

O Presidente sublinhou a ligação entre esta abstenção e a credibilidade dos agentes políticos, ou seja, a "forma como aqueles que são eleitos actuam no desempenho das suas funções". "Se não tivermos órgãos de representação prestigiados, será difícil aumentar a participação dos eleitores".

Lista dos condecorados por Cavaco Silva:

Ordem de Cristo:
Eng.º Pedro Pires de Miranda (Grã-Cruz)

Ordem de Aviz:
Vice-Almirante António João Neves de Bettencourt (Grã-Cruz)
Tenente-General Francisco António Fialho da Rosa (Grã-Cruz)
Tenente-General PILAV Artur Manuel G. R. Proença Prazeres (Grã-Cruz)

Ordem de Sant’Iago da Espada:
Dr. Álvaro Cassuto (Grande Oficial)
Artur Manuel Rodrigues do Cruzeiro Seixas (Grande Oficial)

Ordem do Infante D. Henrique:
Prof. Doutor António Gentil da Silva Martins (Grã-Cruz)
Eng.º Roberto da Luz Carneiro (Grã-Cruz)
Dr.ª Ana Hatherly (Grande Oficial)
Dr. António Freitas Cruz (Grande Oficial)
Dr. Francisco Moita Flores (Grande Oficial)
Prof. Doutor Luís Valadares Tavares (Grande Oficial)
Prof. Doutor Manuel da Costa Andrade (Grande Oficial)
Prof.ª Maria Raquel Campos Seruca (Grande Oficial)
Joana Vasconcelos (Comendador)
Eng.º Bento Amaral (Oficial)

Ordem da Liberdade:
Manuel Paulo de Carvalho Costa (Oficial)

Ordem do Mérito:
Juiz Conselheiro Armando Acácio Gomes Leandro (Grã-Cruz)
Pe. Dâmaso Lambers (Grande Oficial)
Eng.º Fernando Ferreira Santo (Grande Oficial)
Dr. Francisco José Viegas (Grande Oficial)
Doutor Arqt.º José António Falcão (Grande Oficial)
José Duarte (Grande Oficial)
Joaquim Moreira Alves (Comendador)
Dr. José Soromenho-Ramos (Comendador)
Vasco Cerqueira de Faria (Comendador)
União Geral de Trabalhadores (Membro Honorário)

Ordem da Instrução Pública:
Prof. Doutor Júlio Domingos Pedrosa da Luz de Jesus (Grã-Cruz)
Prof. Doutor Manuel Joaquim Pinho Moreira de Azevedo (Grande Oficial)
Prof. Doutor Rogério Fernandes Ferreira (Grande Oficial)
Prof.ª Maria do Céu Neves Roldão (Comendador)

Ordem do Mérito Agrícola, Comercial e Industrial – Classe do Mérito Agrícola:
Engº Joaquim Pedro Beirão Freire Torres (Comendador)
Dr.ª Leonor Freitas (Comendador)
Dr. Manuel de Castro Tavares Veiga (Comendador)

Ordem do Mérito Agrícola, Comercial e Industrial – Classe do Mérito Industrial:
José António dos Santos (Grande Oficial)
Fernando Luís Simões (Comendador)
Joaquim José Louro Pereira (Comendador)

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues