Resultado de pesquisa

Exemplo: "reforma laboral", "Manoel de Oliveira".

0-10 de 572 resultados
  • Na preparação do filme German Concentrations Camps, a pedido de Sidney Bernstein, que produzia o filme para o Ministério da Informação britânico, Alfred Hitchcock tinha-se deslocado da América para supervisionar a montagem ou, nas palavras de Bernstein, ditas anos depois, para "juntar todas as peças".

  • Quando, em 1945, o produtor britânico Sidney Bernstein convidou Alfred Hitchcock para supervisionar a montagem de imagens recolhidas no terreno durante os últimos combates da Segunda Guerra Mundial, fê-lo por uma razão muito simples: queria deixar algo para memória futura.

  • O projecto está em discussão há vários anos e ganhou nesta quinta-feira um novo produtor, ficando um passo mais perto de se concretizar: o remake do clássico de Alfred Hitchcock Os Pássaros terá como produtor Michael Bay, o responsável por blockbusters como Transformers, Armageddon e Pearl Harbor.

  • O anúncio pela Sight and Sound, a 1 de Agosto passado, que na escolha dos melhores filmes de sempre que a revista britânica vem realizando a cada 10 anos, desde 1952, Vertigo de Alfred Hitchcock surgia em primeiro lugar, terminando com as cinco décadas de supremacia de Citizen Kane/O Mundo A Seus Pés de Orson Welles, filme que parecia estar definitivamente consagrado nesse lugar cimeiro, esse anúncio suscitou o tipo de comentário sobre "competição" do estilo daqueles que são dominantes a propósito de factos como os Óscares ou quais filmes tidos como favoritos para o palmarés de um festival de cinema - coisas de "competição" que de facto são um pouco aberrantes.

  • Estando de novo Vertigo em cartaz, e aliás agora também outro filme de Hitchcock, Psycho, importa acrescentar às abordagens já publicadas uma outra, sobre esta consagração de Vertigo, implicando uma crítica da crítica - e mesmo, de algum modo, uma autocrítica -, uma reflexão sobre o tipo de ecos públicos destas votações, quais "campeonatos" (como a obsessão pelas escolhas dos "melhores do ano", redobrada pela persistência dos números redondos, dos "dez mais" ou "cem mais"), e também sobre a sua possível importância e as suas possíveis consequências nefastas, tanto mais que o filme de Hitchcock é um caso exponencial de revalorização crítica.