Coreia do Norte revela vídeo onde sonha com destruição de Nova Iorque

O argumento é simples: um rapaz sonha com a grandiosidade da Coreia do Norte e com uma cidade norte-americana a arder.

Testes de mísseis na Coreia do Norte AFP

Ao som de We are the World, a canção de autoria de Michael Jackson e Lionel Richie para o USA for Africa, em 1985, um jovem sonha com a grandiosidade do seu país, a Coreia do Norte, que lança foguetes para o espaço. O video está no Youtube e foi publicado no sábado, no site oficial da Coreia do Norte, noticia a AFP.

A Coreia de Norte que se propõe, por estes dias, realizar um teste nuclear, colocou no Youtube um vídeo de três minutos onde se vê uma cidade norte-americana, parecida com Nova Iorque, a arder depois do que parece ter sido um ataque com mísseis.

O filme foi colocado no site oficial da Coreia do Norte, o Uriminzokkiri, que divulga notícias dos meios de comunicação social daquele Estado.

O vídeo foi filmado como se se tratasse de um sonho de um jovem norte-coreano que está a bordo de uma nave espacial, lançada para órbita como o foguete que Pyongyang testou, com sucesso, em Dezembro passado.

À medida que a nave espacial viaja à volta da Terra, o jovem vê da janela coisas maravilhosas acontecerem, como a reunificação da Coreia, mas o foco do filme muda quando da janela da nave espacial o rapaz vê uma cidade sob a bandeira dos Estados Unidos, e muito parecida com Nova Iorque, com os seus arranha-céus, que está sob um ataque de mísseis, e onde se vêem os edifícios a arder, incluindo um que parece o Empire State Building. E o filme termina.

O embaixador da Coreia do Sul nas Nações Unidas divulgou, esta terça-feira, que os testes nucleares na Coreia do Norte parecem estar para breve, revela o jornal britânico Guardian. Kim Sook disse que se verifica "muita actividade" e que todos devem estar atentos. Em conferência de imprensa, o embaixador pediu que, no caso de o teste nuclear acontecer, as Nações Unidas devem marcar uma posição com "medidas firmes e fortes".
 
 
 

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.