Quando as tatuagens em pele humana são expostas em frascos

O Museu de Design e da Moda (MUDE) criou, em parceria com o Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF) e o Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa uma exposição sobre tatuagens da primeira metade do século XX: “O mais profundo é a pele”.

Estão expostos 61 frascos com excertos de pele humana, obtidos de corpos autopsiados, juntamente com informação sobre as pessoas tatuadas e as próprias tatuagens. No palácio estão hoje cinco tatuadores, para reinterpretar e reinventar tatuagens ou para criar a partir de temas de desenhos em exposição.

Com curadoria conjunta de Catarina Pombo Nabais (doutorada em filosofia) e Carlos Branco (investigador externo do INMLCF), a exposição estreia hoje, quinta-feira, e está patente no Palácio Pombal, na Rua do Século, até dia 25 de Junho.

Artigos relacionados

Comentários

Comentar

Caracteres restantes: