Passos Coelho: "Não há colagem, há coincidência de posições" com Merkel

Numa entrevista a Maria João Avillez para o PÚBLICO, disponível na edição deste domingo, o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho sustenta que é "um contrato muito correcto" serem responsabilizados os países que foram indisciplinados.

Recusa a ideia de ser o último defensor de Angela Merkel e argumenta que as críticas dirigidas ao "superministro" da Economia têm sido injustas.

Realização: Ricardo Rezende, Miguel Gaspar

Artigos relacionados

  • O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, pede cautela em relação ao excedente de 2000 milhões de euros que vão ser injectados na economia, graças à transferência dos fundos de pensões da banca para o Estado este ano. Isto porque não quer que fique a ideia de que esse excedente crie uma margem para desvios na consolidação das contas públicas. “Não há folgas, nem almofadas”, acentuou, para explicar que o Governo já não vai contar com esta medida extraordinária para corrigir do défice do próximo ano.

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.