"O Ginjal" ou "O sonho das cerejas", por Mónica Calle

No Teatro Maria Matos e no Festival Almada. Tchéckov visto por Mónica Calle foi sempre um autor contemporâneo. Agora é apenas um pretexto para voltar a falar do que sempre quis: "o que vale a pena dizer?"

Artigos relacionados

  • Tchéckov visto por Mónica Calle foi sempre um autor contemporâneo. Agora é apenas um pretexto para voltar a falar do que sempre quis: "o que vale a pena dizer?"

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.