Comissões de utentes das ex-Scut marcam protesto para 1 de Março

Os utentes defendem que a cobrança de portagens nas ex-Scut só é benéfica para as concessionárias JORGE MIGUEL GONCALVES/NFactos

As comissões de utentes das antigas Scut (vias sem custos para o utilizador), reunidas este sábado em Aveiro, convocaram para 1 de Março um protesto nacional pelo fim das portagens que, alegam, empobrece as pessoas, as empresas e o Estado.

 

No encontro de Aveiro estiveram representadas comissões de utentes de oito distritos: Aveiro, Viseu, Porto, Viana do Castelo, Guarda, Vila Real, Castelo Branco e Santarém.

Além da marcação do protesto para Março, decidiram fazer contactos com utentes da região de Lisboa e do Algarve com o objectivo de estender a iniciativa também ao sul do país. “O protesto assumirá as formas que cada comissão de utentes entender: pode acontecer que não seja igual em todo o lado, mas será sempre feito na rua e em espaços públicos”, disse à agência Lusa Francisco Almeida, em representação das comissões de utentes das A23/A24/A25.

O objectivo assumido pelo movimento é o de “acabar globalmente com as portagens nas ex-Scut”, porque têm impacto negativo para todo o país e Francisco Almeida explica porquê: “a cobrança de portagens nas ex-Scut só é benéfica para as concessionárias. O Estado aumentou-lhes as rendas quando introduziu as portagens. É mau para os cidadãos porque os empobrece, as empresas estão a degradar-se e há empresas e comércio a reduzir actividade e a dispensar pessoal”.

Além das rendas que paga, segundo as comissões de utentes, o Estado fica ainda a perder porque a medida está a atirar para o desemprego pessoas que contribuíam para a segurança social e pagavam impostos, o que deixam de o fazer, arrecadando o Estado menos receita, e aumentando os seus encargos sociais com o subsídio de desemprego.

“A ideia que fica é a de que só ganhou com a introdução de portagens as concessionárias que são empresas ligadas ao setor financeiro, que estão a lucrar com isto”, diz Francisco Almeida, chamando a atenção para que há situações em que “algumas cidades estão completamente cercadas de portagens por todos os lados”.

Dá como exemplo Aveiro, em que “até pequenas deslocações são já portajadas” e da Guarda, Lamego e Covilhã, de onde “ninguém consegue sair sem ser por uma estrada com portagem”.

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.