STCP suprime linha ZA em Matosinhos

Medida entra em vigor dia 13. Movimento de utentes diz que a STCP já reduziu serviço em 25 por cento

O Sindicato Nacional dos Motoristas confirmou ontem à Lusa que a Sociedade de Transportes Colectivos do Porto (STCP) vai suprimir a linha ZA (Lavra-Freixieiro), que serve Matosinhos, a partir do dia 13. O sindicalista Jorge Costa afirmou que o fim desta linha terá a ver com as medidas de austeridade anunciadas pelo Governo, tendo a empresa que realizar cortes para reduzir custos.

Jorge Costa lembrou que, desde Janeiro, foram já "afectados cerca de 50 serviços na rede devido a adaptações feitas pela STCP". A empresa, disse Jorge Costa, mudou horários e efectuou cortes que afectam os clientes, que têm agora "redução de oferta", sustentou, adiantando que ainda este mês "estão previstos mais cortes e a reestruturação das linhas em horário nocturno e madrugada".

Também ontem o Movimento de Utentes dos Transportes da Área Metropolitana do Porto (MUTAMP) denunciou a "diminuição de oferta de transportes públicos". Em comunicado, o movimento refere que a STCP, "através do seu conselho de administração, reduz o seu serviço em cerca de 25 por cento, pois recentemente cortou duas carreiras ao início da manhã e duas ao fim da tarde em quase todas as linhas e precisamente em horas de ponta". Para o MUTAMP, a administração "não pode colocar em causa o serviço público", entendendo que "tais medidas têm um carácter economicista, que visa a privatização da empresa". Os utentes reclamam não compreender como se gastou milhares de euros na apresentação dos novos autocarros de dois pisos "e que ao mesmo tempo se piore o serviço prestado".

O MUTAMP adianta que vai solicitar uma reunião com carácter de urgência à administração da STCP, "no sentido de encontrar soluções que melhorem a mobilidade" da população e promete "levar a cabo todas as acções necessárias em defesa de uma rede de transportes com qualidade".

Contactada sobre a supressão da linha ZA, a administração da STCP enviou à Lusa um comunicado no qual afirma que um dos desafios da empresa "é precisamente dar resposta a variações na procura, de uma forma eficiente, com os meios de que dispõe. Ciclicamente, ocorrem pequenas alterações na rede que derivam desta análise, e que, depois de testadas, são divulgadas aos nossos clientes e implementadas na oferta", acrescenta.

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues