Hospital de Aveiro proibiu acompanhantes de doentes na urgência

Unidade hospitalar justifica a medida, que vigorou durante um dia e meio, a um pico de afluência ao serviço de urgência

Durante um dia e meio, o serviço de Urgência do Hospital de Aveiro não permitiu a entrada a acompanhantes dos doentes, um direito que está previsto na lei há anos. A restrição, que teve início na segunda-feira, dia de grande afluência na urgência, foi levantada ao fim da tarde de ontem, segundo a responsável do gabinete de imprensa do hospital.

"Isto acontece raramente. O problema é que as urgências não estão preparadas para situações de pico de afluência e o que se faz nestas situações é pedir-se gentilmente aos acompanhantes para irem para a sala de espera, onde vão sendo informados da situação dos doentes", explicou Catarina Resende.

Quem não se conformou com a restrição deste direito que está previsto na lei desde 2009 foi um familiar de um doente que se queixou da situação por email enviado ao PÚBLICO. "O meu avô entrou hoje [ontem], dia 12 de Novembro de 2013, nas Urgências do Hospital de Aveiro, mas tem a doença de Alzheimer no grau bastante avançado, logo não tem qualquer tipo de capacidade de raciocinar ou apresentar o problema de saúde que o levou ao hospital", explicou Tiago Carvalho, sublinhando que a proibição de entrada de acompanhantes já começara no dia anterior.

Em Portugal, desde Julho de 2009 que todos os doentes que dêem entrada numa urgência de unidades do Serviço Nacional de Saúde têm direito a um acompanhante, que deve ter "informação adequada e em tempo razoável" sobre o paciente, estipula a Lei n.º 33/2009. No momento de admissão num serviço de urgência, o doente deve, aliás, ser informado deste direito. A lei deu o prazo de um ano para as instituições do Serviço Nacional de Saúde procederem às alterações necessárias nas instalações, organização e funcionamento das respectivas urgências, de forma a permitir que os doentes possam usufruir deste direito sem causar qualquer prejuízo ao normal funcionamento dos serviços.

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues