Ao contrário do que pretendia o Governo, as novas metas para interligações energéticas não são obrigatórias, mas ficam ‘amarradas’ aos projectos prioritários da União Europeia (UE) e à fiscalização da Comissão Europeia.