A França e a Alemanha têm conseguido manter elevados níveis de cobrança e uma produção legislativa que tem o mérito de valorizar a criação cultural e os seus protagonistas.