• O país perdeu população activa nos grupos etários mais novos e ganhou apenas nos grupos etários mais seniores.

  • Na agenda está a preparação da última avaliação da troika.

  • CGTP diz que Governo quer “moeda de troca” para subir salário mínimo, UGT só aceita negociar depois das europeias e patrões insistem que há medidas por cumprir do acordo e 2012. Passos ficou em silêncio depois da ronda com os sindicatos e patrões.

  • A existência de salário mínimo e a actuação dos sindicatos estão para o neoliberalismo, e seu capitalismo científico, dominantes na gestão europeia, após a crise das dívidas soberanas, como o toucinho estaria para o Maomé. Se se utilizasse uma terminologia calvinista, falar-se-ia assim duma espécie de depravação, logo os países endividados precisariam da ajuda de terceiros, para os libertar desse seu pecado original, face à incapacidade do seu livre arbítrio. O calvinismo inteletual nacional estrangeirado concordaria, obviamente.

  • Esmeralda Dourado, presidente da associação Missão Crescimento, diz que o tecido empresarial precisa de um quadro específico para a conversão de dívida em capital. E que o tema da dívida soberana tem de ser posto à discussão pública.

  • Diploma entra em vigor em 2015 e vai introduzir "mais justiça" no mercado laboral, diz ministra do Emprego.