Médias baixaram do ano passado para este

Provas de aferição do 4.º ano: 66,7% a Português e 53,9% a Matemática

Na prova de Matemática registou-se uma maior percentagem nos níveis D e C Foto: PÚBLICO

Língua Portuguesa com média de 66,7% e Matemática com 53,9%. Estes foram os resultados dos alunos do 4.º ano nas provas de aferição.

Quase metade, 43%, tiveram nível negativo a Matemática e 20% a Língua Portuguesa. Em 2011 tinham sido apenas 19% e 12%, respectivamente.

A média nacional das classificações é 66,7% e 53,9%, respectivamente nas provas de Língua Portuguesa e de Matemática. Na prova de Língua Portuguesa, o valor é muito semelhante ao de 2011, enquanto em Matemática se verifica uma redução de cerca de 14 pontos percentuais.

Na prova de Língua Portuguesa, a distribuição estatística dos resultados por níveis é muito semelhante à observada em 2011. O nível B continua a apresentar a percentagem mais elevada, com 40% dos casos – as provas são classificadas de A a E, sendo o A a melhor classificação e o E a pior.

Na prova de Matemática regista-se uma maior percentagem nos níveis D e C, com 39% e 31% respectivamente. Mas juntando os D e E, os níveis negativos, perfaz 43%. Em comparação com o ano anterior, observa-se um aumento importante no nível D e mais modesto no nível C, acompanhado por uma diminuição dos níveis A e B, revela o Ministério da Educação e Ciência, em comunicado à imprensa.

Em 2011, os alunos do 4.º ano tiveram melhores resultados: 69,3% a Língua Portuguesa e 68,3% a Matemática. As razões para a média mais baixa na prova de Matemática podem estar no facto de, pela primeira vez, incidir sobre o novo programa da disciplina.

Professores pessimistas

No dia da realização da prova, a Associação de Professores de Matemática já tinha alertado para o facto dando conta que vários docentes se mostraram pessimistas em relação aos resultados por não terem ainda “adoptado plenamente” o novo programa para o ensino básico.

Já a Sociedade Portuguesa de Matemática não realçou este aspecto. No seu comentário à prova, deu nota positiva aos exercícios propostos, mas criticou o facto de esta ignorar o algoritmo da divisão e de as multiplicações pedidas terem sido “demasiado simples”.

Quanto à prova de Português, associação de professores da disciplina considerou-a mais difícil do que as realizadas em anos anteriores e também mais longa.

As negativas nas provas de aferição de Matemática têm vindo a subir desde 2008. Nas de Português aumentaram em 2011 e voltaram agora a subir.

Nos relatórios com a análise pormenorizada das provas de 2011, divulgado em Janeiro passado, o Gabinete de Avaliação Educacional (Gave) indicou que na prova de Língua Portuguesa a esmagadora maioria dos alunos não consegue escrever frases sem erros de concordância. Nas de Matemática foram evidentes as dificuldades no que respeita a saber o que é um múltiplo de um número e o que fazer com um problema que envolva este conceito.

Segundo o Gave, os alunos continuavam a evidenciar “uma preocupante falta de sentido crítico face à plausibilidade das soluções que apresentaram”.

As provas de aferição do 1.º ciclo do ensino básico foram feitas em 6414 escolas do continente e ilhas, bem como nas escolas no estrangeiro com currículo português. Um total de 105.275 alunos fizeram a prova de Língua Portuguesa em Maio passado. E a de Matemática foi realizada por 105.057 estudantes. No processo de classificação estiveram envolvidos 5516 docentes.

Este foi o último ano em que as provas de aferição foram realizadas, a partir de 2012/2013, os alunos do 4.º ano realizarão exames nacionais que contam 25% para a sua avaliação final. As provas de aferição tinham como objectivo a tutela aferir o sistema e não contavam para a avaliação global dos alunos, embora existam escolas que as utilizam como mais um elemento de avaliação.



Notícia actualizada às 15h15

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.