Crise da dívida

Credores europeus exigem à Grécia 38 alterações na política fiscal e despesa pública

Grécia terá de adoptar 38 medidas de austeridade Yannis Behrakis/Reuters

Mudanças terão de ser cumpridas até final do mês e são o preço a pagar pelo segundo programa de ajuda no valor de 130 mil milhões de euros.

Os países credores europeus estão exigir à Grécia que faça 38 alterações que abrangem medidas de política fiscal, despesa pública e negociações salariais. As mudanças terão de ser efectuadas até ao final do mês e de acordo com o Financial Times, que cita um documento de 90 páginas, são o preço a pagar pelo segundo programa de ajuda no valor de 130 mil milhões de euros.

O diário britânico avança que as medidas incluem áreas tão diversas como a centralização de seguros de saúde, registo de propriedade, alterações na prescrição de medicamentos ou a definição de stocks mínimos de petróleo. São descritas dez acções prioritárias que devem estar concluídas até à próxima quarta-feira para que os ministros das finanças da zona euro possam dar o aval final ao resgate grego, numa reunião de emergência que está agendada para quinta-feira.

A Grécia terá de reduzir os gastos com medicamentos em 1,1 mil milhões de euros e liberalizar profissões como trabalhadores de salões de beleza, centros de dieta ou guias turísticos. Algumas das medidas já estavam previstas, mas o Governo tem enfrentado forte contestação popular, com greves e manifestações que travaram a sua implementação.

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.