O que fazer com uma personagem de TV quando o actor morre?

Descubra aqui como é que os produtores de oito séries norte-americanas resolveram casos semelhantes ao de Cory Monteith, protagonista da série Glee que morreu a 13 de Julho.

Um pequeno memorial com flores e fotos surgiu à porta do hotel em Vancouver onde o actor morreu Reuters

A morte de Cory Monteith, uma das principais caras de Glee, coloca em risco a continuidade da comédia musical? Ainda não se sabe se a personagem de Cory, Finn Hudson, morrerá na série, imitando a realidade, ou se será simplesmente ignorada. Lidar com a morte repentina de um actor numa série não é de todo uma tarefa fácil para os produtores.

Se olharmos em retrospectiva para casos similares ao de Cory, reparamos que os produtores e os canais de televisão têm evitado quebrar a "quarta parede", pelo que os acontecimentos na vida real não costumam ser retratados nas séries norte-americanas, com o objectivo de respeitar o propósito imaginário da ficção.

Isso não quer dizer que não existam programas que não tenham introduzido as mortes dos actores nas respectivas tramas, permitindo às audiências contactarem com o que se passou de verdade. Na série Dallas, por exemplo, isso já aconteceu duas vezes: primeiro com a morte do actor Jim Davis, e mais recentemente com o falecimento de Larry Hagman, que interpretava o filho de Davis no pequeno ecrã, J.R. Ewing.

Segue a lista de oito séries que perderam personagens principais durante a sua transmissão, e as diversas formas como cada uma lidou com esses acontecimentos:

Dallas – Jim Davis tornou-se uma estrela de televisão na segunda metade da sua carreira, interpretando Jock, patriarca da dinastia Ewing, e o pai do polémico J.R. Uma batalha com um cancro enfraqueceu-o, culminando com a sua morte na quarta temporada da série. Um acidente de helicóptero, que tirou a vida a Jock Ewing, acabou por ser a maneira que os argumentistas arranjaram de homenagear o actor sem contornarem o que se passou na realidade.

Os Homens do Presidente – Leo McGarry era o líder da equipa presidencial, possuindo uma enorme popularidade junto dos fãs. A morte do actor que o personificava, John Spencer, a 16 de Dezembro de 2005, marcou um ponto de viragem na série, e os autores decidiram matar a personagem no drama político.

Os Sopranos – A matriarca da família Soprano, Livia Soprano, era amada por espectadores de todo o mundo. O falecimento inesperado da sua intérprete, Nancy Marchand, obrigou o escritor David Chase a alterar o rumo da história. A personagem regressou à série depois da morte da actriz, graças ao recurso a efeitos especiais, para uma cena de despedida que foi muito criticada na altura.

Rua Sésamo – Mr. Hooper, desempenhado no pequeno ecrã pelo actor Will Lee, era uma das personagens mais emblemáticas da popular série infantil. Um ataque cardíaco desencadeou a morte de Lee, e a equipa de produção viu-se a braços com um desafio: como explicar a ausência de Mr. Hooper no programa ao público mais pequeno?
Num evento televisivo sem precedentes na história do entretenimento norte-americano, foi emitido um episódio especial em 1983, Adeus Mr. Hooper, onde a morte da personagem foi discutida abertamente entre pais e crianças.

Lei e Ordem – Jerry Orbach, que era o actor que estava por detrás do detective Lennie Briscoe, morreu a 28 de Dezembro de 2004. Artista conceituado conhecido pelas suas actuações nos palcos da Broadway, em Nova Iorque, foi homenageado na série com uma funeral que nunca chegou a ir para o ar. O público só se apercebeu da sua morte na série algum tempo mais tarde, através dos diálogos de outras personagens.

Casei com uma Feiticeira – Gladys Kravitz era conhecida como a vizinha bisbilhoteira da bruxa Samantha na sitcom norte-americana. A sua presença na série foi subitamente interrompida com a morte da sua intérprete, Alice Pearce, em 1966, vítima de um cancro nos ovários. A actriz foi substituída por Sandra Gould e os episódios com Pearce no papel de Gladys são raramente transmitidos, pelo que grande parte dos espectadores está familiarizada principalmente com a actuação de Gould.

Bonanza – Eric Hoss Cartwright, cuja representação esteve a cargo de Dan Blocker, era o filho do meio de Ben Cartwritght, o poderoso proprietário do rancho Ponderosa. Blocker morreu em 1972 durante a produção da 13ª temporada da série devido a uma embolia pulmonar. O programa na altura surpreendeu ao matar a personagem, imitando a vida real. O drama viria a ser cancelado um ano mais tarde em 1973. 

Glee - Cory Monteith era um dos protagonistas da comédia musical, que desde a estreia em 2009 se converteu num dos maiores fenómenos televisivos dos últimos anos. Era de conhecimento público que o intérprete do atleta Finn Hudson tinha um problema com as drogas, chegando a entrar numa clínica de reabilitação este ano. O jovem actor  foi encontrado sem vida no quarto de um hotel de Vancouver, no Canadá, no dia 13 de Julho. Desconhece-se por enquanto o destino que os produtores vão dar à sua personagem. 


 
 

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.