Uma livraria sobre rodas

Uma livraria infanto-juvenil faz-se à estrada e torna-se itinerante. Chama-se Cabeçudos e apresenta hoje em Lisboa a sua versão móvel

Promover a leitura junto das crianças e jovens, levar os livros a quem mais deles necessita e melhorar o negócio são os objectivos da livraria móvel Cabeçudos. Apresentada hoje em Lisboa, na Escola Secundária de Pedro Nunes, pretende "fazer festas de leitura em locais e momentos improváveis", diz ao PÚBLICO Rui Andrade, livreiro em parceria com Raquel Salgueiro. O Plano Nacional de Leitura aprova a ideia.

Os livreiros escolheram uma escola secundária para palco da divulgação por "ter um público mais difícil", dizem. Porque se "o livro infantil está mais ou menos garantido, quando falamos do juvenil, para leitores a partir dos 12 anos, já não é bem assim". Com a presença do escritor Afonso Cruz e do rapper Chullage na apresentação, Rui Andrade e Raquel Salgueiro querem "dar já uma ideia" do que se propõem "oferecer aos jovens" nos lugares por onde forem passando.

E o primeiro destino da carrinha-livraria é a Azambuja, onde andará entre 23 e 28 de Fevereiro, estacionando na rua e em várias escolas. Duas editoras irão participar nas primeiras actividades para o público: Planeta Tangerina (com Isabel Minhós Martins e Madalena Matoso) e Orfeu Negro (com Carla Oliveira e Catarina Sobral). Prática que se repetirá noutras paragens em parcerias com "escritores, ilustradores, contadores de histórias e dinamizadores de oficinas temáticas no âmbito da leitura e com recurso a conteúdos pedagicos e lúdicos".

Em estabelecimentos de ensino, bibliotecas, espaços públicos ou privados, a Cabeçudos (que manterá a loja "fixa" em Lisboa, no Lumiar) quer "divulgar a leitura como competência obrigatória ao desenvolvimento humano e promover a sua introdução precoce no seio familiar e escolar". Por isso também pretende chegar aos "professores, cuidadores, educadores, pais e encarregados de educação - peças fundamentais na instrução dos hábitos de leitura".

Apoio institucional

Fernando Pinto do Amaral, comissário do Plano Nacional de Leitura (PNL), valoriza a ideia, considerando-a "reveladora de uma vontade genuína de levar o livro às crianças e jovens". Sublinha que o apoio do PNL é tão-só institucional ("não apoiamos financeiramente empresas privadas") e diz que "estes são tempos de incentivar e admirar quem toma iniciativas de risco".

O comissário e escritor, que também vai participar na apresentação, acrescenta ainda: "Sempre acarinhámos esta livraria e reconhecemos o seu critério de qualidade." A Cabeçudos itinerante poderá, portanto, usar o símbolo "Ler+".

José Manuel Cortês, director-geral do Livro, Arquivos e Bibliotecas, e Teresa Calçada, coordenadora da Rede de Bibliotecas Escolares, também estarão na Pedro Nunes a dar a conhecer a livraria móvel, que tem por lema: "Livros no teu caminho."

Comentários

Os comentários a este artigo estão fechados. Saiba porquê.

Nos Blogues