• Cientistas da Universidade de Coimbra estudaram o cérebro de adeptos das claques oficiais da Académica e do Futebol Clube do Porto. Quando vêem o seu clube, os adeptos activam circuitos cerebrais semelhantes aos do amor.

  • Um dos autores do estudo é um dos chamados “atletas” da memória.

  • Investigadores portugueses perceberam que um gene ligado à dislexia interfere no crescimento dos prolongamentos dos neurónios. A descoberta pode ser útil para a dislexia mas também para tratar lesões medulares.

  • Estudo britânico estabelece uma relação entre os impactos sofridos pelos futebolistas na cabeça ao longo da carreira e doenças neurológicas. Os 14 antigos jogadores da amostra começaram a perder capacidades cognitivas, em média, a partir dos 64 anos.

  • Cientistas de Portugal e dos EUA explicam o que acontece no cérebro na aprendizagem de uma nova capacidade motora. Os resultados podem ser importantes para melhorar desempenho das interfaces cérebro-máquina.

  • Cientistas revelam imagens a três dimensões do cérebro de ratinhos onde se vêem os pontos de contacto entre as células nervosas a encolher durante o sono. Para quê? Pode ser uma forma arranjar espaço para crescer e reter mais informação no dia seguinte.

  • Pessoas com a síndrome do encarceramento total (sem movimentos oculares) conseguiram responder a perguntas de "sim" e "não" através das ondas cerebrais.