Associação diz não acreditar nos números do Ministério da Educação, acrescentando que ainda há muitas escolas que esperam que sejam identificados e removidos todos os materiais que contêm amianto.