No ano em que se assinalam quatro décadas desde a revolução de 25 de Abril de 1974, a liberdade de expressão que – supostamente – dela resultou ainda não é um conceito completamente compreendido e consolidado.

  • No ano em que se assinalam quatro décadas desde a revolução de 25 de Abril de 1974, a liberdade de expressão que – supostamente – dela resultou ainda não é um conceito completamente compreendido e consolidado.

  • Com o efervescer do clima eleitoral para as Europeias e com o aproximar de uma data eminentemente de grande significado para Portugal, o 25 de Abril, aumenta o caudal de mensagens de carácter político que recebo no meu correio electrónico. O conteúdo dessas mensagens tem, muitas vezes, um sentido crítico radicalmente oposto. A título de exemplo, destaco extractos de dois e-mails recebidos no mesmíssimo dia:

  • Autoridades identificam suspeito de ter roubado 900 números de segurança social do site de uma agência de impostos do Canadá.

  • O estudo "A Sociedade em Rede: uma década de transição" questionou os portugueses sobre quais as datas mais significativas para si e, a resposta mais referida foi o 25 de Abril de 1974.