Quem olha para os “anéis” que os sucessivos governos portugueses têm vendido, e vê a quem eles pertencem hoje, verifica a forte presença de grupos empresariais com origem em países não democráticos.