Superar a amnésia sobre Abril requer identificar, nos discursos sobre a história, os legados da “tese da imaturidade política” do sujeito africano.

  • Superar a amnésia sobre Abril requer identificar, nos discursos sobre a história, os legados da “tese da imaturidade política” do sujeito africano.

  • O mais celebrado cantor catalão trocou de ribaltas: deixou a música e abraçou a política. Uma e outra unem-se, porém, na sua história pessoal como na da Catalunha. É de ambas que nos fala Lluis Llach, numa entrevista em Lisboa, onde foi homenageado.

  • Ontem, na Avenida da Liberdade, repetimos “fascismo nunca mais!”, porque se há lema para levar a sério na Europa é esse.

  • Marcelo assinalou um consenso político que não é assumido, mas também não é contestado no dia-a-dia da governação: o do pragmatismo. E pediu o que é decisivo: resultados.

  • Não foi Marcelo Rebelo de Sousa o primeiro Presidente a levar a palavra consenso ao Parlamento numa sessão comemorativa do 25 de Abril.

  • Em vez de apelar a consensos, o Presidente preferiu constatar a “paz” e “segurança” em que o país vive, em contraste com as ameaças anti-sistémicas e populistas.Pediu maior criação de riqueza, mas também melhor distribuição, o que agradou à esquerda e à direita.